segunda-feira, 25 de abril de 2016

O brasileiro que tentará conquistar três medalhas no Rio

Estreante em Olimpíadas, o canoísta Isaquias Queiroz pode fazer história

O Brasil possui um bom retrospecto olímpicos em modalidades relacionadas com a água: já ganhamos 17 medalhas na vela em todas as edições até Londres-12 e mais 13 pódios na natação. No Rio, a canoagem tem grandes chances de entrar no rol dos esportes medalhados, graças a um homem: Isaquias Queiroz.

Em 2011, Isaquias se tornou o primeiro brasileiro campeão mundial júnior na canoagem.
A expectativa é de que o baiano possa subir ao pódio não uma, nem duas, mas sim três vezes, o que faria dele o primeiro canoísta a alcançar tal feio no história olímpica. Porém, o recorde ainda depende da definição de quantas provas o jovem de 22 anos disputará no Rio. No último mundial, Isaquias abriu mão da sua especialidade, o C1-200 para ajudar o Brasil a garantir vaga em outra distância, a de 1000m. O plano deu tão certo que, além da vaga, o país ainda levou a medalha de bronze. Para coroar a competição primorosa, o canoísta ganhou a medalha de ouro ao lado de Erlon Silva no C2-1000. As três provas são olímpicas.

O baiano conquistou duas medalhas de ouro e uma de prata no Pan de Toronto-2015.

Será logística e humanamente possível participar das três da Olimpíada, já que nenhuma classificatória ou final coincide. O desafio será Isaquias, ao lado do treinador Juan Morlán, traçar a melhor estratégia para que ele não se sobrecarregue e tenha forças para disputar bem as provas escolhidas. De qualquer forma, será a maior chance que o Brasil já teve de conquistar uma medalha olímpica na canoagem. Ou duas, ou três...

Nenhum comentário:

Postar um comentário